Notícias



Ferrador de Cavalos, uma profissão bem artesanal

Quem observa um cavalo de cima em baixo dificilmente percebe um pequeno detalhe, a ferradura. O pequeno objeto de ferro é considerado o “sapato” do animal, e para se ter uma ideia da importância, em 2012, durante as Olimpíadas de Londres, o cavaleiro brasileiro José Reynoso Fernandez teve a apresentação prejudicada porque o cavalo, Maestro St Lois, perdeu a ferradura. Isso fez a seleção Brasileira perder as chances de pódio na prova de saltos por equipes do hipismo.

 

Neste final de semana os cavalos Árabes vão movimentar as provas seletivas e julgamentos na Expoagro. O evento atrai competidores, criadores, admiradores e até pequenos prestadores de serviço. Claudinei Prestes Pacheco é ferrador de cavalos, andou 450 Km, saiu de Tatuí, interior de São Paulo para colocar ferraduras nos animais que estão na Expoagro de Franca. O trabalho dele é bem artesanal, faz a preparação do casco cortando e lixando os excessos, faz a nivelação para só depois prender as ferraduras. “Encontramos cascos em diversas situações, as vezes esses animais andam muito para chegar nas exposições e isso causa stress. A primeira reação de um animal estressado é dar coice, bater e raspar a pata então sobra para o casco”, acrescentou Claudinei.

 

A preparação do casco ainda inclui a utilização de massa acrílica, para facilitar a nivelação e o uso de sebo de carneiro, um creme que hidrata e dá brilho ao “sapato” do animal.

 

Durante as exposições ele atende cerca de 10 animais por dia. Recebe em torno de R$ 200,00 por cavalo. “Vou muito nas exposições porque os clientes pedem, então fico sempre de plantão. As vezes um animal tem problema durante as provas e preciso estar atento”, disse o ferrador de cavalos.

 

Mas como em toda profissão, colocar ferradura nos cavalos também tem riscos. E o reflexo é sentido direto no corpo. “Já tomei muitos coices, até perdi a conta. E todas foram por causa de outros fatores como uma árvore que cai e o animal assusta, alguém que passa e buzina. Acaba sobrando para mim”, finalizou Claudinei.




Voltar